Fazendo Belices » Arquivo Amigos para sempre? - Fazendo Belices
Voltando ao youtube e ao blog! \o/
Os dramas do Desafio Méliuz
Visto hoje às 19:45

Em 22 de maio de 2013
vida category image

Esses dias eu estava pensando: como é estranho algumas pessoas terem sido tão importantes na nossa vida e, hoje em dia, não passam de meros conhecidos. Isso acontece com todo mundo, obviamente, mas é estranho pensar que a intimidade foi embora. Acho engraçado lembrar, por exemplo, da minha melhor amiga da escola na primeira série. Eu só lembro o primeiro nome dela, o rosto eu já esqueci há muito tempo.

Algumas pessoas que passam por nossas vidas são esquecidas com facilidade  outras, por mais que tenham se afastado, fazem muita falta ainda. Eu tenho inúmeras pessoas que poderia citar aqui, mas melhor não falar nenhuma, vai que a pessoa não sente o mesmo, né? Bera vai ficar tristinha. hahaha

Vou citar uns casos de pessoas que foram importantes pra mim de alguma for e agora não passam de pessoas que conheci.

irmãs-brigando

 

Primeiro caso: Vou a chamar a pessoa de “Pessoa 1” pra não haver nenhum tipo de problema.

A Pessoa 1 era minha melhor amiga desde que nascemos, praticamente. Fazíamos tudo juntas e sempre contávamos uma com a outra até que, um dia, por causa de um mal entendido, a Pessoa 1 parou de falar comigo (se não me engano, foi por quase dois anos), senti muita falta dela até que “me acostumei” com o fato de nossa amizade ter acabado (afinal, não dá pra ficar remoendo isso pra sempre, né?) Depois de muito tempo voltamos a nos falar. Era estranho, a intimidade tinha ido embora, mas tudo bem, pelo menos não estávamos brigadas, eu pensava. Mas um dia, por causa de uma coisa boba (time de futebol), acabamos brigando de novo. E, com o “sangue quente” ainda da briga, discutimos feio e aí que aconteceu a coisa que mais me chateou nos últimos tempos – posso dizer que foi uma das vezes que fiquei mais chateada na vida: vieram me mostrar uma publicação dela em uma rede social qualquer me chamando de gorda. Não que eu ligue pra quando alguém me chama de gorda, mas, como a Pessoa 1 era minha amiga desde que eu me lembrava, ela sabia que eu era muito gorda quando criança e que eu sofri muito na escola por causa disso e que essa questão de peso afeta minha autoestima até hoje. Ela tinha sido a única pessoa no mundo que nunca tinha me chamado de gorda. Até aquele momento.

Segundo caso: A “Pessoa 2” foi um dos meus melhores amigos de escola. Essa pessoa estava sempre comigo, brincando, bagunçando, dançando… Até que um dia paramos de nos falar. Não lembro o motivo, mas sei que era bobeira e, mais ou menos um ano depois, voltamos a nos falar. Diferente do caso da “Pessoa 1”, tudo voltou a ser como era antes, era tudo diversão e brincadeira.

Como qualquer tipo de amigos, discutíamos de vez em quando, mas dava tudo certo no final. Até nosso último ano de escola. Todo mundo nervoso por causa de vestibular (eu não estava, só decidi prestar vestibular no outro ano), sendo cobrados dos pais e professores e mais um monte de fatores, acabamos, eu e mais duas pessoas, fazendo uma brincadeira (de muito mal gosto, confesso) que essa pessoa não gostou nem um pouco e ela parou de falar com nós três.

O orgulho não nos deixou dar o braço a torcer e só voltamos a nos falar recentemente, graças à internet (haha), mas a amizade também não existe mais. Uma pena, nossa amizade era muito legal. Agora somos apenas conhecidos.

Terceiro caso: Com “Pessoa 3” foi o seguinte: éramos grandes amigas, não melhores, até que ela conheceu uma garota que me detestava e praticava bullying comigo no colégio, junto com o grupinho de amigas dela. E a Pessoa 3, ao invés de me defender como uma amiga faria, começou a cometer cyberbullying comigo no Orkut (finaaaaaaaaaado Orkut) junto de uma outra pessoa que prefiro nem comentar sobre (posso dizer que essa pessoa tá envolvida em um monte de rolos contendo a Pessoa 1). Elas me humilhavam em todas as minhas fotos, comentando coisas horríveis. Depois de um tempo, excluí e bloqueei todas as pessoas que estavam fazendo isso.

Engraçado foi que, depois de uns meses, a “amiga” da Pessoa 3 veio me pedir desculpas por tudo e que a pessoa que elas estavam “defendendo” (na verdade, ajudando a me humilhar) fez uma coisa horrível com ela e que ela se sentia na responsabilidade de pedir desculpas. Mas essa pessoa é muito volúvel e agora me odeia de novo. hahaha.

A menina que me odiava e que a Pessoa 3 e o resto vinham me humilhar se resolveu comigo depois, mas não entro em detalhes.

E a Pessoa 3 me vê com frequência, mas a gente se fala muito pouco.

Quarto caso: A “Pessoa 4” se tornou uma grande amiga minha porque nossos pais estavam sempre juntos (engraçado é que, hoje em dia, nossos pais nem são tão mais grudados também), então acabamos nos afeiçoando uma a outra. A gente chegou a “compor” umas músicas e até pensar nos clipes, era muito engraçado. hahaha.
Durante uma viagem que estávamos fazendo, estávamos eu, a Pessoa 4 e mais duas pessoas assistindo a um show num teatro. Eu estava sem óculos e o lugar onde estávamos refletia uma luz muito forte que estava começando a me dar dor de cabeça. Eu pedi pra gente ir pra outro lugar e ela não quis. A outra pessoa que estava do meu lado disse, então, que ia comigo e a Pessoa 4 parou de falar conosco. Depois de menos de um dia, a pessoa que mudou de lugar comigo pediu desculpas e a Pessoa 4 voltou a falar com ela, mas eu, como sempre orgulhosa demais, com muita vergonha e medo de ser rejeitada,  eu “deixei pra lá”.

A gente tá “de boa” agora, somos amigas no Facebook (uaaaaaaaaaaaaaaaaaau) e mal nos vemos, na verdade. Mas a raivinha passou há séculos. Engraçado é que eu e essa pessoas cursamos a mesma coisa na faculdade, em universidades diferentes e uma não teve influência da outra. Pura ironia do destino.

Agora você me pergunta: você sente falta da amizade com essas pessoas? Sinto, mas acho que minha vida talvez seria completamente diferente se eu ainda fosse super amiga deles todos. Não sei explicar, não é que não façam falta, às vezes me pego lembrando nostalgicamente do passado mas sinto falta de muitas outras pessoas que não tenha brigado ou parado de falar por algum motivo, foi a distância e o tempo que nos separou. Costumam dizer: “O tempo e a distância curam qualquer ferida”. Eu digo que o tempo e a distância corroem alguns laços que você queria que fossem eternamente iguais.







Comentar






*Para que sua foto apareça aqui é necessário que você tenha uma conta no Gravatar.
*Sem spam e sem xingamentos nos comentários.